17 outubro, 2010

Primavera ?



          Primavera, até quando terei de fitá-la com esse olhar convidativo para que venhas até mim? Anda, venha depressa... Apoie sua mão esquerda sobre meu ombro, e deixa que da direita eu tomo conta. Apenas me conduza com esse ritmo doce que invade os meus ouvidos e caminha sobre a minha mente... Abraça-me com tua brisa refrescante, me emudeça com teu sorriso paralizante.
          Por alguns minutos somente, traga de volta o que Setembro me furtou. Inunda-me com tuas águas cristalinas, e leva de mim todos os falsos-amigos, aqueles, que um dia tanto prezei. Leva também os falsos-amores, aqueles que um dia tanto jurei. Junte as lágrimas derramadas, gota por gota, e as transforme em um rio esperança.
          Por favor, você não pode me deixar por mais nenhum minuto sequer com essa falsa-alegria... Sabe o quanto ela me faz mal, Primavera. E nem que comecemos aos poucos... Talvez imaginando o que seriam aquelas nuvens no céu azulado que essa bela tarde nos proporciona... Só não acerte de primeira, pois eu sei que é você quem dá forma a cada uma delas. Apenas dê tempo ao tempo e me deixe acertar algumas antes de você.
          E por último, Primavera, peço apenas que chegue sem demora, mas que fique sem pressa de ir embora....

Anda, venha depressa!
Wilian Wenzel




Queridos leitores,
Este texto como veem não é meu, e sim do meu grande e velho amigo Wilian que possui o blog In.diferente (só clicar no nome para acessar o blog). O texto que foi criado para uma tentativa de 'reconciliação' com sua inspiração, está sendo republicado aqui para ver se a primavera resolve vir me visitar também, sabe como é... quem sabe ela não traga novas ideias. Mas, não esqueça de comentar se este texto também falou com você, assim como falou comigo ou com o Wilian. Obrigada, e volte sempre. ;*

1 estrelinhas:

vitor hugo disse...

Ei, pquena, só vc pra encontrar esses amigos que ecrevem tão bem...ele é foda!